Como a covid-19 está afetando o consumo de energia por setor no Brasil?

Saiba como a Covid-19 está afetando o consumo de energia por setor no Brasil em 2020 e veja as perspectivas para o período pós-pandemia.

De modo geral, mesmo com o aumento do consumo de energia elétrica residencial no Brasil, a pandemia de covid-19 tem feito com que setores como industrial e de serviços apresentem quedas marcantes.  

Isso ocorre por conta das medidas de isolamento social e de controle, como o horário reduzido para funcionamento do comércio, em lojas e shoppings.

Em meio a isso, precisamos reinventar muitas ações que antes tínhamos como naturais e assim adequar e até criar novos hábitos.

No texto de hoje, vamos abordar como a pandemia de covid-19 está afetando o consumo de energia por setor no Brasil e quais as perspectivas para o período pós-pandemia. Quer entender melhor sobre o tema? Siga com a gente!

Qual é a importância da energia elétrica no combate à pandemia? 

Se antes a energia elétrica já desempenhava papel fundamental para o funcionamento da nossa sociedade, com a pandemia ela passou a ter uma função ainda mais importante. Listamos abaixo algumas razões da energia elétrica ter ainda mais relevância neste momento: 

Dar suporte a hospitais 

Para começar, é a energia elétrica que dá condições para que hospitais — sejam eles fixos ou de campanha — ofereçam o suporte adequado e funcionem corretamente no momento da internação dos pacientes.  

Em casos clínicos mais sérios, por exemplo, respiradores são aparelhos vitais para combater os efeitos do vírus. Em meio a isso, é importante que as concessionárias e distribuidoras de energia ofereçam serviços de qualidade, trabalhando em conjunto com os setores de saúde. Qualquer oscilação na entrega da energia elétrica pode ser determinante para problemas mais sérios nos tratamentos dos pacientes de covid-19. 

Possibilitar o trabalho remoto – ou home office 

A pandemia também trouxe mudanças para os ambientes corporativos. 

Muitos escritórios, empresas de tecnologia e negócios diversos passaram a migrar seus serviços (ao menos provisoriamente) para o regime home office. Assim, em vez de reuniões presenciais diárias, muitos profissionais começaram a utilizar videoconferências e outras ações para manter a oferta de seus serviços. 

Desse modo, decisões importantes são tomadas todos os dias graças a videochamadas e a conexões à distância constantes. Isso fez com que o consumo de energia residencial crescesse repentinamente, exigindo ainda mais das empresas distribuidoras — que não deixam de sofrer o impacto da pandemia. 

Permitir a abertura de serviços essenciais 

Mesmo com o fechamento de muitas indústrias e comércios, os serviços essenciais continuaram a todo vapor, para atender a população e minimizar os impactos da pandemia.  

Nesse contexto, a energia elétrica manteve o seu papel também essencial, ao permitir a abertura de supermercados normalmente, por exemplo. Quando o funcionamento de serviços como esse se dá de forma eficiente, hospitais e outros estabelecimentos conseguem operar com regularidade e assim focar ainda mais esforços no combate à pandemia e em outras questões urgentes. 

Tudo isso sem contar que a energia elétrica também possibilita o acesso a diversos produtos e serviços, pela compra e venda por e-commerces, utilização de aplicativos e plataformas de streaming e inúmeras atividades do nosso dia a dia. 

Como a covid-19 está afetando o consumo de energia por setor no Brasil em 2020? 

Como adiantamos no início, quando o assunto é o consumo de energia por setor no Brasil em 2020, ressaltamos que houve queda, principalmente nos setores industriais e de serviços, por conta da pandemia de covid-19. 

De acordo com relatório da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) de abril de 2020, o setor comercial teve queda de 17,9%, seguido por 12,4% de declínio no consumo de energia da indústria. Em contrapartida, com o home office e a adoção de outros hábitos, o setor residencial registrou crescimento de 6% no consumo. 

Além dele, estima-se que a área hospitalar e laboratórios de pesquisa em universidades também estejam utilizando energia a todo vapor, ainda que não haja um dado específico de crescimento no consumo. 

Com a queda geral, em maio, a Bain & Company informou que os impactos causados pelo novo coronavírus poderiam representar mais de R$ 25 bilhões para as companhias brasileiras do setor elétrico

Como não é possível impedir esse tipo de crise e seus impactos no setor de energia, o que nos resta é buscar alternativas para minimizar os danos. 

Quais são as perspectivas do consumo de energia pós pandemia? 

Com uma perspectiva não tão palpável de encerramento da pandemia, empresas passaram a adotar o home office, em muitos casos, até o final de 2020, e estão repensando modelos de negócio. É realmente rentável manter um escritório grande? Como balancear trabalho remoto com a presença física para executar algumas tarefas? 

Além disso, muitas pessoas estão se apegando à ideia de trabalhar de casa (mesmo quando isso não for mais necessário) e construindo novos hábitos, como assistir a transmissões ao vivo e cozinhar a própria comida. Ainda que não se saiba como vai ser o mundo pós-pandemia, uma coisa é certa: ele será diferente. 

Pensando nisso, o consumo de energia por setor no Brasil também mudará. Mesmo com a reabertura dos shoppings, o movimento acaba não sendo o mesmo, já que as vacinas ainda não foram distribuídas e os e-commerces cresceram ainda mais

Fato é que, passado o começo da pandemia e o susto inicial, o consumo de energia está melhorando e o setor elétrico enxerga retomada, já que consumo de eletricidade registra quedas cada vez menores e a inadimplência retornou a níveis próximos dos normas. Independentemente de qual é o seu caso, seja no âmbito da vida pessoal ou profissional, é necessária uma análise crítica constante para entender e definir os próximos passos. 

Para isso, acompanhar os materiais produzidos e publicados por nós nas redes sociais também pode ajudar! Esperamos que esse texto tenha sido útil para você entender como está o consumo de energia por setor no Brasil em 2020. Até a próxima!