Por que a conta de luz está mais cara e como o Mercado Livre de Energia pode ser a solução

Já quase não é possível viver sem energia elétrica, mas pouca gente sabe como ela é distribuída e porque o preço varia tanto. 

Para entender as constantes variações no preço da conta de luz no Brasil, primeiro é preciso entender o contexto do sistema de energia brasileiro. Além disso, é essencial discutir as mudanças, através do Mercado Livre, que se apresentam como alternativa para desburocratizar e simplificar todo o processo.

Assine a petição e apoie o #MovimentoLuzLivre.

O sistema de energia no Brasil 

A produção de energia elétrica no Brasil começou ainda no século XIX com a construção da primeira hidrelétrica, em Minas Gerais. Outras formas de produção surgiram nos séculos seguintes, porém o sistema continuou dependente da construção de barragens, o que hoje corresponde há 65% do fornecimento de energia no país.  

Além da falta de diversidade ocasionada ao sistema, as hidrelétricas não são consideradas energias limpas, apesar de serem uma fonte de energia renovável por utilizar um recurso (água) que é constantemente reposto na natureza. Isso porque, a instalação de uma usina hidrelétrica pode impactar o meio ambiente de diferentes formas, principalmente, modificando os cursos dos rios e gerando prejuízos à flora e fauna locais.  

Independentemente da fonte gerada, renovável ou não renovável, a energia é interligada em um sistema que circula uma rede de mais de 145 mil quilômetros de extensão para suprir todo o território com segurança, possibilitando que consumidores acessem a energia gerada em diversas partes do território nacional.  

O aumento da conta de luz 

A falta de diversidade do sistema é o principal fator responsável pelo aumento das tarifas na conta de luz. Segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), o Brasil está passando pela pior estiagem dos últimos 91 anos, o que causa uma queda severa dos níveis dos reservatórios das hidrelétricas, gerando a imposição da compensação da oferta por usinas termelétricas, o que encarece a operação. 

Juntamente, há necessidade de incentivar a economia de energia, por isso, foram criadas as bandeiras tarifárias, uma forma de cobrança que se desloca de acordo com as condições dos reservatórios. Quando as circunstâncias pioram, o aumento do valor é repassado ao consumidor final.   

Consequentemente, isso acontecerá a qualquer momento que se passar por algum tipo de escassez de recurso. Sendo o recurso todo proveniente de uma mesma fonte, a flutuação do preço será constante.   

A alternativa lógica está em atributos do clima brasileiro, sol e vento. Um país tropical que tem alta intensidade solar durante o ano todo e com maior previsibilidade em relação a chuvas. Já o potencial de energia eólica no Brasil é gigantesco e é ainda mais intenso nos meses de junho a dezembro, o que coincide com o período de menor quantidade de chuvas.  

O Mercado Livre de Energia 

Um caminho alternativo ao sistema convencional é o Mercado Livre, disponível apenas para uma parcela de empresas com um gasto superior a 500 kW mensais. Esse modelo permite que as organizações obtenham energia diretamente das comercializadoras, podendo optar por fontes renováveis e negociar livremente o período de contrato, preços e condições.  

O Projeto de Lei 414/2021, que está tramitando na Câmara, trata da reorganização do sistema de energia brasileiro para que todos os cidadãos possam fazer parte do Mercado Livre. Ou seja, com a lei aprovada, o consumidor poderá escolher de quem compra e de onde vem a energia que vai consumir, inclusive preferindo pela diversificação em matrizes mais sustentáveis e limpas.  

Assim como já acontece nos mercados de telefonia e bancário, o texto do PL dita regras para definir a possibilidade do consumidor trocar a empresa fornecedora de energia. Desse modo, mais empresas poderão entrar para o mercado e aumentar a concorrência do setor, reverberando em barateamento dos preços da conta de luz.   

#MovimentoLuzLivre 

Movimento Luz Livre nasceu com o objetivo de jogar visibilidade sobre essa causa, mostrando aos brasileiros que existem alternativas saudáveis para o sistema de energia e pressionando quem tem poder para mudar essa realidade.  

Participe assinado a petição!